Música

Fãs explicam adoração aos Jonas Brothers às vésperas de show no Brasil; veja outros teens de sucesso no país

ANTONIO FARINACI
Colaboração para o UOL

"Eu fiquei horrorizada, feliz e ansiosa". Assim define Luana a mistura complexa de emoções que se apoderou dela ao ver pela primeira vez os seus ídolos, os Jonas Brothers, na TV. Nesse coquetel, felicidade parece a sensação mais compreensível, mas ansiedade e horror dão profundidade ao fenômeno --e "horror", neste caso, é tomado em sua assepção "religiosa", de temor respeitoso diante das coisas sagradas, sentido que, em sua sabedoria de menina de 11 anos, Luana já intui e emprega com propriedade.

Ela é uma dentre os 35 mil fãs que são aguardados nos três shows que os Jonas Brothers farão no Brasil, em São Paulo, no Rio e em Porto Alegre, a partir deste sábado (6). O grupo é um dos mais recentes fenômenos a ter surgido no mercado de pop stars dirigido a meninas adolescentes. E por onde quer que passem provocam a mesma mistura de horror, alegria e ansiedade nas fãs. Uma busca na internet é suficiente para revelar cenas de multidão, correria, gritos e tietagem. 
 
"No ano passado, quando eles vieram fazer o primeiro show no Brasil, eu estava no Rio e passei com a minha mãe em frente ao hotel em que eles estavam. Eu gritei muito!", relembra Teresa, de 10 anos, "foi muito divertido!". "Eu fui no show do ano passado", conta Moira, 15. "É muito emocionante, porque eles tocam as músicas igualzinho ao jeito como está no disco e no clipe, só que ao vivo é bem melhor, porque dá pra ver como o artista realmente é".
 
A maior parte das fãs do grupo teve o primeiro contato com os Jonas Brothers pela TV, num dos programas estrelados pelo trio: "Camp Rock" (filme televisivo com a cantora Demi Lovato) e "J.O.N.A.S.". Hoje, no entanto, a internet parece ser o local preferido para assistir aos vídeos do grupo, acompanhar notícias da banda ou ouvir suas músicas.
 
Muitas fãs, aliás, jamais tiveram um disco dos Jonas Brothers. "Tenho camiseta, pôster, mas não tenho nenhum disco. Ouço no iPod as músicas que eu baixei da internet", conta Ana Carolina, de 13 anos. Já Luana, que também não tem nenhum dos sete discos lançados pelo grupo, ouve as músicas no celular, faixas que foram baixadas da web ou compartilhadas com amigas. Teresa gosta de ouvir as músicas no iPod ou no YouTube, e Moira gosta da internet para assistir aos clipes: "Dá para ver quantas vezes eu quiser, na hora que eu quiser", explica. Mesmo com tantas fãs que baixam as músicas, o grupo já vendeu no mundo todo mais de 10 milhões de cópias de seus álbuns.
 
Com 23 anos recém completados, o mais velho dos Jonas, Kevin, foi o primeiro a jogar fora o anel de virgindade para se casar (no início da carreira, os três irmãos anunciavam que se manterias virgens até o casamento e usavam essa jóia como símbolo de sua castidade). Joe, 21, é o mais extrovertido e anunciou no início do ano que pretende, em breve, lançar um disco solo. Mas é o mais novo, Nick, 18, o que faz as fãs suspirarem. Para Teresa, ele é o mais "bonitinho"; para Moira, ele é o mais "natural"; para Ana Carolina, é o que canta melhor. E ele merece toda a adoração das fãs, afinal, foi por causa de seu disco solo, lançado em 2005, que os Jonas Brothers acabaram ganhando a atenção da indústria fonográfica (veja abaixo minibiografia da banda). 
 
Mas se engana quem pensa que os Brothers são uma unanimidade entre as adolescentes. A fila dos ídolos teens tem que andar, e esse nicho é superefêmero. Quem está no topo da onda hoje, pode cair em desgraça amanhã --que o digam Menudo, New Kids on the Block, Backstreet Boys e outros ídolos teen que foram trocados por atrações mais novas. "Eu já fui fã dos Jonas Brothers, tinha CD e até fui no show do ano passado. Agora não gosto mais, acho meio chato", conta Clara, de 11 anos. "Hoje prefiro o (seriado) 'Glee', porque eles cantam músicas de vários artistas legais". Artistas "legais", no caso, são aqueles que não estão mais identificados com a estética explicitamente teen, e que têm fãs "adultos", artistas como Madonna e Ke$ha, por exemplo. 
 
E mesmo quem ainda é fã dos Jonas já tem um olho no futuro. "Acho que só vou gostar deles enquanto eles estiverem juntos. Se eles se separarem, daí vou gostar mais do Justin Bieber", acredita Luana. Já Moira, acha que vai continuar fã do grupo até "mais ou menos 18 anos", depois, ela pode ficar fã de Selena Gómez. E a Lady Gaga? "Ah, Lady Gaga já está meio ultrapassada, né?". E a fila anda...
 
Veja abaixo ídolos estrangeiros dos teens que fizeram --e fazem-- sucesso no Brasil:
 
Justin Bieber
Bieber é o mais novo artista no panteão dos ídolos adolescentes. Seu primeiro disco foi lançado no final de 2009, e, com apenas 16 anos, o cantor canadense já se apresentou para o casal Obama, na Casa Branca, e teve quatro sucessos entre os 40 mais tocados nos Estados Unidos --um feito inédito para um artista que tem apenas um disco lançado. Seus maiores sucessos são "One Time", "One Less Lonely Girl", "Love Me" e "Favorite Girl". Apadrinhado pelo cantor Usher e queridinho do produtor Simon Cowell (ex-jurado de "American Idol"), o cantor foi descoberto na internet pelo empresário Scooter Braun, que assistiu a um de seus vídeos no YouTube. Em entrevista ao programa "Fantástico", em junho, o empresário prometeu que Justin virá ao Brasil em 2011 para shows.
 
Jonas Brothers
Formado pelos irmãos Nick, Kevin e Joe Jonas. O primeiro dos irmãos Jonas a ficar famoso foi Nick, que em 2003, aos 11 anos, depois de trabalhar como extra em diversos musicais da Broadway, lançou uma canção de Natal em rádios cristãs norte-americanas. O sucesso da música angariou-lhe um contrato com uma gravadora. Nick arrastou os irmãos consigo, e o primeiro disco, "It's About Time", veio em 2006. O formato e o estilo do grupo fazem lembrar um pouco os do Hanson, pois seus integrantes aparecem tocando instrumentos e cantando, não apenas dançando. O sucesso veio em 2007, quando saiu o segundo disco, que leva o nome do grupo. Apadrinhados pela Disney, no ano seguinte, os Jonas Brothers ganharam um reality show que documentou sua turnê pelos Estados Unidos. Ganharam também um especial na TV, "Camp Rock", ao lado da cantora Demi Lovato, que ajudou a expandir seu fã clube. Em 2009, foi a vez de estrearem um seriado só seu, "J.O.N.A.S.", também produzido pela Disney. No mesmo ano, vieram pela primeira vez ao Brasil, onde tocaram no Rio de Janeiro, para 18 mil fãs, e em São Paulo, para um público de 55 mil. 
 
Hannah Montana/Miley Cyrus
Miley Stewart (interpretada por Miley Cyrus) é uma adolescente comum que, de noite, vira a pop star Hannah Montana. Ela esconde isso de todos, menos de seus amigos mais íntimos e de sua família. O programa da Disney estreou em 2006, com direito a trilha sonora no topo das paradas de vendagem. Em 2008, vieram dois filmes: "Hannah Montana e Miley Cyrus Show, o Melhor de Dois Mundos", filme-show em 3D com direito a participação especial dos Jonas Brothers, e "Hannah Montana - o Filme", baseado no enredo do programa de TV. O seriado está em sua última temporada. Especula-se que Miley quer se dedicar apenas a sua carreira solo como cantora pop, desvinculada da imagem teen da personagem de TV. 
 
High School Musical
Conta a lenda que este filme começou com uma formalidade contratual. Os estúdios Disney precisavam produzir três filmes por ano, e só tinham rodado dois naquele ano de 2005. Assim, deram início ao terceiro projeto de forma burocrática. O filme (e suas duas continuações) virou um dos maiores sucessos recentes da Disney, lançou a carreira do galã Zac Efron e sua trilha sonora encabeçou as paradas de vendagem de diversos países. Garantido por tamanho sucesso, o elenco do filme saiu em turnê mundial com um espetáculo musical baseado nas canções do filme. Em 2007, passaram pelo Brasil e  levaram mais de 50 mil fãs ao estádio do Morumbi, em São Paulo. Até o momento, já foram lançados três filmes para o cinema e está anunciado um quarto, para TV, com novo elenco. 
 
RBD
O sexteto adolescente mexicano RBD surgiu em 2004, a partir da novela "Rebelde", que, por sua vez, era baseada numa novela argentina, "Rebelde Way". "Rebelde" foi exibida no Brasil pelo SBT de 2004 a 2006, quando parou de ser produzida, e passou a ser reprisada pelo canal pago Boomerang. O RBD veio pela primeira vez ao Brasil em 2006, para promover o programa e um disco gravado em português. Na ocasião, o grupo fez uma apresentação no estacionamento de um shopping paulistano que acabou em tragédia, com a morte de três fãs. Em 2008, dois anos após o fim da novela, o grupo anunciou sua dissolução e realizou uma turnê internacional. Alguns de seus integrantes saíram em carreira solo, como Christopher Uckermann (protagonista do seriado "Kdabra", da Fox) e a cantora Anahí, que se apresentou no Brasil em 2010.
 
Britney Spears
Ao lado do 'N Sync e dos Backstreet Boys, Britney Spears dominou o mercado do pop teen do final dos anos 90 e início dos anos 2000. A cantora começou a carreira como apresentadora do "Clube do Mickey", na TV, de 1992 a 1993, mas seu primeiro disco só saiu em 1999. Com o disco no topo das paradas de vendagens, a cantora posou de "Lolita" para a capa da revista "Rolling Stone". Na época, namorava Justin Timberlake, do 'N Sync, e propagandeava ser virgem. Veio ao Brasil em 2001 e teve o maior público de sua vida, 250 mil pessoas, no Rock in Rio. No show, foi vaiada ao mostrar a bandeira dos Estados Unidos. No final daquele ano, lançou sua primeira música "adulta", "I'm a Slave for You", e, a partir daí, foi se descolando pouco a pouco da imagem de adolescente santinha. Seguiu-se uma série de "escândalos". Em 2003, beijou Madonna na boca num show da MTV. No ano seguinte, casou-se com um amigo, em Las Vegas (o casamento durou 55 horas, antes de ser anulado). Teve dois filhos com seu coreógrafo, Kevin Federline, de quem se divorciou em 2006, após um casamento conturbado. Em 2007, foi manchete de tablóides ao aparecer em público de cabeça raspada, depois de um período internada numa clínica de desintoxicação.
 
'N Sync
O primeiro sucesso do 'N Sync veio em 1998, com as músicas  "I Want You Back" e "Tearing Up My Heart", mas o grupo estourou mesmo em 2000, quando o álbum "No Strings Attached" vendeu quase 10 milhões de cópias e se tornou o disco de maior sucesso no ano, puxado por "Bye Bye Bye", "It's Gonna Be Me" e "This I Promise You". O 'N Sync era formado por Justin Timberlake, Joey Fatone, JC Chasez, Chris Kirkpatrick e Lance Bass. Assim como Christina Aguilera e Britney Spears, dois integrantes do grupo também vinham do programa de TV "Clube do Mickey": Justin, então namorado de Britney, e JC. O grupo apareceu nos "Simpsons" e fez músicas para o desenho animado "Pokémon". Em meados de 2002, o grupo suspendeu suas atividades para que seus integrantes se dedicassem a projetos solo. Joey Fatone virou ator, e Justin Timberlake se tornou um respeitado produtor e cantor solo. Há boatos de que a banda poderá se reunir para uma turnê, como fizeram New Kids e Backstreet Boys em 2008.
 
Hanson
Formado pelos irmãos Isaac, Taylor e Zac, o Hanson difere ligeiramente das outras boy bands surgidas no final dos anos 90. Eles não têm dancinhas coreografadas, mas se apresentam como um trio de "músicos sérios", cantando e tocando instrumentos. Seu maior sucesso foi "Mmmbop", lançado com o disco "Middle of Nowhere", em 1997, que recebeu três indicações ao Grammy em 1998. O grupo veio duas vezes ao Brasil. Na primeira, em 2000, mesmo um pouco "atrasado", o Hanson ainda promoveu cenas de gritinhos e histeria de fãs. 
 
Backstreet Boys
Com 180 milhões de discos vendidos, este é, segundo o "Guiness Book", a boy band de maior êxito na história. A banda surgiu em 1993, inspirada pelo sucesso dos New Kids on the Block, e logo os ultrapassou em popularidade. O grupo ficou famoso primeiro na Europa (especialmente na Alemanha), em 1995, antes de estourar no mercado americano, dois anos depois. O Backstreet Boys veio três vezes ao Brasil: em 2000, para promover o disco "Black & Blue"; em 2001, para promover uma coletânea de maiores sucessos, e em 2008, em sua turnê de "reunião". Em 2001, os shows causaram filas de até 15 dias na porta do Maracanã (onde a banda teve um público de 75 mil) e no Anhembi (onde o grupo se apresentou para 35 mil pessoas). Seus hits mais famosos são "I Want It That Way", "Everybody" e "As Long As You Love Me", entre outros. Nick Carter foi o único artista do grupo a ter algum sucesso com sua carreira solo.
 
New Kids on the Block
Formado em 1984, o grupo vendeu mais de 70 milhões de discos no mundo todo e teve seu maior momento no Brasil no final dos anos 80 e início dos 90, com uma série de hits que incluíam "Please Don't Go Girl" e "Step By Step". Em 1991, eles foram apontados pela revista "Forbes" como os artistas mais bem pagos daquele ano. Em 1994, depois de acusações de usarem playback durante apresentações ao vivo, e de mudarem o nome do grupo para as iniciais NKOTB, o grupo se dissolveu. Em seus primórdios, o grupo teve entre seus membros o ator Mark Wahlberg, então conhecido como Marky Mark, que deixou a banda para seguir carreira solo, e, mais tarde, lançar-se como ator. O irmão de Mark, Donnie Wahlberg, prosseguiu no grupo até o final. A banda se reuniu em 2008 para uma turnê mundial.
 
Menudo
O Menudo não foi apenas a maior sensação teen dos anos 80 no Brasil, mas o primeiro grupo de música "latina" a fazer sucesso internacionalmente. Formado em Porto Rico, todos os seus integrantes só podiam permanecer no grupo até completar 16 anos, quando eram substituídos. No Brasil, o auge aconteceu entre 1984 e 1985, quando o grupo passou por aqui para uma turnê em 18 cidades, com os integrantes Roy Rosselló (que hoje mora na Bahia), Robby Rosa, Charlie Massó, Ray Reyes e Ricky Martin (então com 14 anos). Entre seus maiores sucessos estão as músicas "Não Se Reprima" e "If You're Not Here". Alguns dos ex-integrantes da banda saíram em carreira solo depois de excederem a idade limite para estar no grupo. Os mais bem sucedidos foram Robby Rosa (que chegou a adotar o nome Draco Rosa) e Ricky Martin, que realmente conseguiu fazer sucesso sem a sombra do grupo, a partir do final dos anos 90, com "Livin' La Vida Loca" e outros hits. Ainda nos anos 80, no Brasil, a onda do Menudo rendeu uma enxurrada de imitadores como os grupos Dominó, Polegar e Ciclone, e, na Argentina, o grupo Tremendo.
 
Jackson Five e Michael Jackson
O grupo formado por Michael Jackson existia desde os anos 60 com respeitável sucesso, mas foi a partir dos anos 70 que virou uma sensação televisiva com a animação "The Jackson 5ive". Produzida de 1971 a 1973, o seriado mostrava Michael e seus irmãos --Tito, Jackie, Jermaine e Marlon-- às voltas com aventuras que envolvem o empresário Berry Gordy, a serpente Rosie e os ratinhos Ray e Charles, inspirados nos animais de estimação na vida real de Michael. Cada episódio mostrava duas músicas, que podiam ser de discos do grupo ou da carreira solo do irmão mais famoso. O tema de abertura era um medley de hits dos Jackson Five: "I Want You Back", "The Love You Save" e "ABC". O sucesso da animação levou a um programa, produzido entre 1976 e 1977 nos EUA, que reunia os irmãos e irmãs Jackson (menos Jermaine). Nele, a família fazia números musicais e recebia convidados, como o cantor Sonny Bono, a atriz Lynda Carter (a "Mulher Maravilha" da TV) e o apresentador David Letterman.
 
Família Dó-Ré-Mi (Partridge Family) e David Cassidy
De 1970 a 1974, este foi o maior programa americano de TV focado no público teen. O enredo era centrado em uma família de músicos em turnê pelos Estados Unidos. As músicas apresentadas no programa eram lançadas posteriormente em disco: no final do primeiro ano da série, o hit "I Think I Love You" ficou durante três semanas como o compacto de música pop mais vendido nos Estados Unidos, e mais quatro grandes sucessos se seguiram. No auge da popularidade, David Cassidy, principal protagonista, recebia cerca de 30 mil cartas por semana. Tamanho sucesso garantiu-lhe uma carreira solo concomitante ao programa. Em maio de 1972, ele concedeu uma polêmica entrevista à revista "Rolling Stone" em que aparecia seminu na capa e em um pôster encartado, declarando ter fumado maconha e admitindo já ter tido relações sexuais com fãs. Com o crescimento de sua carreira solo, ele se tornou o artista mais bem pago da época, mas sua imagem foi se distanciando do bom-mocismo de seu personagem na "Família Dó-Ré-Mi". Ao final da quarta temporada, ele decidiu sair da série, e os produtores a suspenderam. Sem o seriado, sua carreira solo também não foi longe. Ele chegou a ganhar um novo programa, que teve vida curta, e passou por uma peregrinação de internações para se livrar de drogas.
 
The Monkees
Primeira série de TV a ter como protagonistas uma banda criada especialmente para o programa, "The Monkees" nasceu inspirada pelos Beatles e suas comédias cinematográficas, especialmente "A Hard Day's Night" e "Help!". O seriado foi produzido de 1966 e 1968 e serviu de modelo para a "Família Dó-Ré-Mi". Nos episódios, a banda vivia aventuras e se reunia para tocar. Um de seus maiores sucessos, "I'm a Believer", chegou ao topo das paradas em 1967. Nesse ano, em Londres, foi promovido o encontro do grupo com os Beatles. John Lennon declarou mais tarde que eles eram "or irmãos Marx do rock". Apesar do programa ter acabado em 1968, o grupo continuou fazendo sucesso em shows até, pelo menos, 1970. Em 1986, houve uma reunião da banda, e, em 1996, os Monkees lançaram um disco de inéditas, "Justus", com a formação original.